Gestão e saúde: conheça o mapa de risco hospitalar e outras estratégias de organização

Mapa de risco hospitalar

O mapa de risco hospitalar é uma ferramenta de gestão de risco obrigatória para os estabelecimentos de saúde. Implementada pela Norma Regulamentadora nº 5 (NR-5), o mapa de risco hospitalar é um documento que visa prevenir acidentes e doenças relacionadas ao trabalho.

Por esse motivo, além de ser obrigatório, o mapa de risco hospitalar é uma importante estratégia de gestão hospitalar. Entretanto, aliadas ao mapa, outras alternativas são de extrema importância para otimizar a gestão dos estabelecimentos de saúde. Ficou curioso para saber como isso funciona na prática? Então, fica ligado na matéria!

Para que serve o mapa de risco hospitalar?

Mapa de risco hospitalar
Foto: NanoStockk

O mapa de risco hospitalar possui o objetivo central de identificar os locais de possíveis ameaças, que possuam o potencial de causar danos à saúde dos indivíduos. Assim, é possível mapear esses locais com o intuito de estabelecer pontos de alerta e cuidados.

Para cumprir esse objetivo, os mapas são construídos de forma a instruir visualmente os pacientes e funcionários que circulam pelo ambiente. Por isso, os mapas são constituídos de círculos contendo tamanhos e cores específicas, que informam o grau de risco de determinado ambiente.

O tamanho no círculo diz respeito ao nível do risco, que pode ser dividido em leve, moderado ou grave. Por outro lado, a cor do círculo informa a natureza do risco, classificando-o de acordo com o tipo de ameaça.

Como são classificados os riscos?

Como dito anteriormente, os riscos são classificados de acordo com o seu caráter, utilizando as cores para ilustrar cada tipo de ameaça. As cores utilizadas são verde, vermelha, marrom, amarela e azul, e vão variar a depender da natureza de cada agente agressor.

Por exemplo, a cor verde representa o grupo 1, nas quais são riscos de natureza física, como ruídos e radiação, enquanto a cor vermelha indica o grupo 2 que são os riscos de natureza química.

Por outro lado, o grupo 3 é representado pela cor marrom, que indica riscos de natureza biológica, associados a microrganismos como bactérias, fungos e vírus.

Já a cor amarela representa o grupo 4, indicando os riscos ergonômicos. Esses riscos estão relacionados ao modo que se realiza as atividades, alertando para posturas incorretas, esforços repetitivos, esforço, dentre outros aspectos.

Por último, o grupo 5 são indicados pela cor azul, e representam aqueles acidentes associados a causas naturais devido à estrutura do local. Ou seja, são os riscos inerentes ao ambiente, como incêndios, choques, inundações, dentre outros.

Quais as alternativas para otimizar a gestão hospitalar e reduzir riscos?

A gestão hospitalar é um grande desafio, pois além de minimizar os riscos inerentes a esse ambiente é preciso organizá-lo de maneira eficaz. Para auxiliar nisso, o software médico da MDMED oferece uma série de recursos que podem facilitar a gestão dos estabelecimentos de saúde.

Dentre as diversas alternativas que podem auxiliar muito nesse processo, listamos as seguintes ferramentas:

1. Prontuário eletrônico

O prontuário eletrônico é um documento digital que armazena informações dos pacientes, e isso inclui os dados pessoais e médicos. Essa é uma ferramenta tecnológica que auxilia de maneira fundamental a gestão hospitalar, pois conta com um sistema integrado e seguro.

Com essa ferramenta em mãos é possível otimizar a gestão hospitalar, além de garantir a economia de recursos que seriam gastos em prontuários físicos. De outra forma, os prontuários também previnem os em prescrições médicas e facilitam a análise cuidadosa dos dados clínicos dos pacientes.

2. Software médico

Um grande aliado da gestão hospitalar é o software médico da MDMED, uma ferramenta tecnológica desenvolvida para auxiliar em diversas rotinas de estabelecimentos de saúde. O software médico oferece uma série de recursos que possibilitam não apenas a otimização da gestão, como também a redução de potenciais riscos.

Nossa plataforma oferece um sistema de agendamento que facilita muito a organização na marcação de consultas, e permite uma gestão mais fluida ao reduzir o fluxo de trabalho.

Além disso, o sistema médico é bastante utilizado por oferecer ferramentas que auxiliam na gestão de estoque dos estabelecimentos de saúde. Com isso, é possível garantir que medicamentos essenciais não faltem, e materiais de limpeza sempre estejam disponíveis para garantir a segurança contra agentes infecciosos.

Outro recurso oferecido por essa plataforma para otimizar a gestão hospitalar é o módulo financeiro avançado, que permite o controle monetário e fluxo de caixa de maneira eficiente e precisa.

3. Telemedicina

A telemedicina é uma tendência promissora no Brasil, que visa a realização de consultas na modalidade remota. Apesar de nova, essa ferramenta promete ser vantajosa por ampliar a possibilidade de atendimentos médicos, e minimizar os riscos que um ambiente hospitalar proporciona ao paciente.

Otimize a gestão hospitalar com MDMED!

Deu para perceber a importância de uma gestão hospitalar eficiente, não é mesmo? A melhor maneira de garantir a otimização disso é através do software médico da MDMED.

Nossa plataforma oferece uma infinidade de recursos pensados para auxiliar o dia a dia dos mais diversos estabelecimentos de saúde. Contamos com planos que se adaptam à realidade da sua clínica, que vão de pacotes mais básicos até recursos ilimitados.

Quer saber qual plano se adapta melhor ao seu estabelecimento? Então não perca tempo e confira melhor os planos e recursos da MDMED!

MAIS POSTS