LGPD em consultórios: por que um software seguro é indispensável?

Em 14 de agosto de 2018 foi ratificada a Lei Geral de Proteção de Dados, também conhecida como LGPD, que tem como objetivo padronizar a segurança na coleta e uso de dados pessoais de terceiros. 

A lei nº 13.709/2018 entrou em vigor em setembro de 2020, trazendo mudanças significativas na gestão de informações, impedindo o compartilhamento sem a expressa autorização e acarretando em importantes sanções caso alguma norma seja descumprida. 

Assim, o cuidado com os dados deixou de ser preocupação individual para tornar-se responsabilidade coletiva, fazendo com que tanto estabelecimentos públicos quanto privados passassem a vigiar mais de perto essas questões, justamente para evitar qualquer tipo de problema. 

Dentre os setores que mais precisam de atenção no cumprimento dessa lei, a área da saúde é um dos destaques. 

Afinal, basta observar a quantidade de informações coletadas em um atendimento médico para perceber o volume de dados pessoais obtidos e processados pelos estabelecimentos de saúde, como hospitais, clínicas e consultórios. 

Tudo isso é necessário para a correta identificação do paciente e acompanhamento de seu quadro ou tratamento, então deixar de lidar com esses dados não é uma opção. 

Além disso, o atendimento médico pressupõe agilidade, então não é possível utilizar uma ferramenta que mantenha os dados seguros porém inacessíveis, uma vez que isso atrapalharia no andamento da consulta. 

Então, como realizar, manter e atualizar cadastros médicos de forma simples e, ainda assim, de acordo com as normas de segurança e sigilo de dados vigentes?

A resposta para essa pergunta está em uma ferramenta que, além de auxiliar no manejo desses dados, conta com funcionalidades que trazem ainda mais praticidade para o cotidiano de clínicas e consultórios: o software médico

Saiba mais sobre o sistema a seguir: 

Software médico e proteção de dados

Um bom sistema de gestão médica permite cadastrar pacientes com a coleta de dados básicos, criando um histórico personalizado no qual ficarão salvas as informações referentes àquele indivíduo, que podem ser atualizadas a cada nova consulta.

Essas informações são salvas automaticamente no sistema de armazenamento em nuvem, que mantém os dados seguros contra vazamentos e/ou acessos indevidos.

Isso ocorre porque essa tecnologia independe de um dispositivo eletrônico único para funcionar, então mesmo que haja a invasão de um computador, por exemplo, os dados estão protegidos por serem armazenados externamente. 

Esse banco de dados, por sua vez, somente pode ser acessado mediante identificação, uma barreira a mais para evitar que pessoas mal intencionadas tenham acesso a informações sigilosas. 

Além disso, embora o software médico possa ser utilizado em diversos setores dentro de um mesmo estabelecimento – como financeiro, corpo médico, administrativo, entre outros – é possível definir diferentes níveis de acesso às informações nele contidas. 

Na prática, isso significa que cada setor somente poderá visualizar dados relevantes à sua atuação.

Ou seja: os profissionais de saúde não têm acesso a informações financeiras e vice-versa, o que ajuda a preservar o sigilo médico e a privacidade de cada paciente. 

É preciso ressaltar também a praticidade que um sistema para clínicas e consultórios traz para os tratamentos interdisciplinares. 

Com eles, é possível compartilhar dados sobre um determinado paciente com uma junta médica, com objetivo de encontrar o melhor e mais completo tratamento, especialmente em casos mais graves.

A ferramenta permite a inclusão de emendas no prontuário do paciente, então a cada consulta o profissional de saúde pode atualizar o histórico, informando quais foram os passos dados no tratamento naquela ocasião. 

Essa comunicação é extremamente segura, uma vez que ocorre internamente e não apresenta riscos de interceptações por pessoas não autorizadas. 

Vale lembrar que o compartilhamento dessas informações deve ser feito mediante ciência e autorização do paciente, de forma a jamais colocar em risco o sigilo e a ética médica. 

Punições aplicadas no descumprimento às normas da LGPD

Veja o que você evita ao adotar um software médico de confiança, adequado às normas da Lei Geral de Proteção de Dados: 

  • Advertência com prazo para resolução do problema de violação de dados;
  • Multa diária com valor definido de acordo com a gravidade da infração e faturamento do estabelecimento, podendo chegar a R$50 milhões;
  • Publicização da infração, que compromete a imagem da clínica ou consultório perante a opinião pública e pode gerar prejuízos financeiros incalculáveis; 
  • Bloqueio temporário no uso dos dados;
  • Exclusão total das informações coletadas e proibição definitiva do manejo de dados de terceiros. 

Ou seja, a dor de cabeça é imensa e é melhor evitá-la antes que aconteça!

Conte com a MDMED!

Sistema médico moderno, eficiente e seguro é com a MDMED!

Nosso software está 100% adequado às normas da LGPD, para que você possa manejar os dados de seus pacientes sem nenhum risco ou preocupação. 

Afinal, nossa empresa já tem mais de 20 anos de experiência na modernização de clínicas e consultórios médicos, então você sabe que pode confiar em nossa expertise e compromisso em sempre oferecer o melhor aos nossos clientes. 

Para saber mais sobre o software médico da MDMED, acesse nosso site e confira todos os nossos planos e recursos.

Peça sua demonstração grátis e comprove os benefícios. Conte com a MDMED e garanta o melhor!

MAIS POSTS

Porque escolher o MDMED? Saiba Mais!
Porque escolher o MDMED? Saiba Mais!
Escanear o código
Olá 👋
Converse com Especialistas, são 25 Anos de Expertise para ajudar na escolha certa. Explicamos Tudo no WhatsApp!